Beleza Extraordinária

O que é sebo na pele? Entenda a importância das glândulas sebáceas para o corpo

  • Entenda para que serve o sebo e qual é o seu papel na manutenção da pele saudável (Foto: Vin Stratton para Unsplash)
  • O sebo é um dos responsáveis pela pele perfeita e com aparência de brilho saudável (Foto: Philipe Cavalcante para Unsplash)
Tela cheia
Previous Next
Entenda para que serve o sebo e qual é o seu papel na manutenção da pele saudável (Foto: Vin Stratton para Unsplash)
  • Entenda para que serve o sebo e qual é o seu papel na manutenção da pele saudável (Foto: Vin Stratton para Unsplash)
  • O sebo é um dos responsáveis pela pele perfeita e com aparência de brilho saudável (Foto: Philipe Cavalcante para Unsplash)

Talvez você já tenha ouvido falar que uma das causas da pele oleosa é a produção de sebo em excesso nas glândulas - mas afinal de contas, o que seria esse sebo na pele? Por que ele é produzido pelo organismo e qual é a sua função?

Uma coisa a gente já adianta: o sebo, apesar de ser o responsável pela oleosidade, está longe de ser o vilão da história! Continue lendo a matéria para saber como ele influencia todos os tipos de pele - das oleosas as secas - e porque sua presença é tão importante para a manutenção da pele perfeita.

O que é e para que serve o sebo? Saiba por que a pele precisa do óleo

Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por(@amandarrwalker) em

O sebo nada mais é do que uma secreção composta por triglicerídios, colesterol e ácidos graxos (entre outros componentes). Ele é, em essência, uma espécie de óleo produzido pelas glândulas sebáceas que tem como função lubrificar, alisar e proteger a pele de bactérias e outros riscos, como a poluição, por exemplo.

Além disso, o sebo ajuda a manter o nível de hidratação da pele, o que ajuda a diminuir os sinais do tempo no rosto. Na medida certa, ele garante o visual com aquele glow de pele saudável, hidratada e flexível.

O que a falta e o excesso de sebo fazem na pele?

Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por Whitney Fransway (@whitneyfransway) em

É bem comum que exista uma relação de amor e ódio com o sebo - especialmente porque, se produzido em excesso, ele passa de herói para o grande causador de doenças como a acne. Quando o óleo é produzido em maior quantidade do que os poros precisam, o resultado pode ser uma pele extremamente brilhante e gordurosa, com pontos de inflamação e pus (mais conhecidos como espinhas).

Por outro lado, se o excesso de sebo já é ruim, a falta pode ser igualmente problemática, viu? Se as glândulas não produzem o sebo na quantidade necessária, outros problemas prejudiciais à saúde e aparência da pele, como a descamação, ressecamento e vermelhidão, podem surgir.

Como controlar a produção de sebo nas glândulas sebáceas

Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por L'Oréal Paris Brasil (@belezaextraordinaria) em

Para manter o nível de sebo perfeito na pele, o segredo é investir em uma rotina de cuidados simples e poderosa. Limpeza, hidratação e esfoliação são palavras de ordem - mas a frequência e tipos de produtos usados variam de acordo com o tipo de pele de cada pessoa. 

- Para a limpeza, o segredinho que cabe a todos os tipos de pele é manter a rotina diária (pelo menos 2x ao dia) com a água micelar;

- Para a hidratação, a melhor saída é procurar cremes à base de água para peles oleosas e fórmulas hidratantes para peles normais ou secas;

- Para a esfoliação, o segredo é aumentar ou diminuir a frequência de acordo com o seu tipo de pele (oleosas podem apostar no ritual duas vezes na semana e outros apenas uma vez a cada 7 dias).

Importante: vale lembrar que a produção do sebo dentro das glândulas diminui com o passar do tempo - por isso é comum que a pele madura seja mais ressecada e apresente linhas de expressão mais intensas. A solução para esses casos é tentar compensar esse problema com cremes antirrugas e hidratantes.

Redação: Raquel Carletto

ver mais : Pele - Acne - Dicas de beleza
Temas relacionados
Cicatrização capilar:

o que é e por que apostar? Confira!