Beleza Extraordinária

Manchas brancas ou escuras na pele? Saiba mais sobre hipopigmentação e hiperpigmentação!

  • Saiba mais sobre problemas de pigmentação da pele! (Foto: Pixelformula)
  • Uso de protetor solar e cremes clareadores ajudam a proteger a pele da hiperpigmentação (Foto: Shutterstock)
  • A hipopigmentação pode ser causada por fatores genéticos ou inflamações (Foto: Shutterstock)
Tela cheia
Previous Next
Saiba mais sobre problemas de pigmentação da pele! (Foto: Pixelformula)
  • Saiba mais sobre problemas de pigmentação da pele! (Foto: Pixelformula)
  • Uso de protetor solar e cremes clareadores ajudam a proteger a pele da hiperpigmentação (Foto: Shutterstock)
  • A hipopigmentação pode ser causada por fatores genéticos ou inflamações (Foto: Shutterstock)

A melanina não é só o pigmento que determina a cor da pele: quando sofre alterações, ela também causa doenças de pigmentação - como a hipopigmentação e a hiperpigmentação. A primeira acontece quando ela aparece em menor quantidade, enquanto a segunda - como o nome já indica - é consequência de um aumento significativo. Quer entender melhor o que causa esses dois problemas e saber como tratá-los? Confira!

Melanina diminui na hipopigmentação e pele apresenta manchas brancas

Quando a pele produz menos melanina que o normal, ocorre a chamada hipopigmentação. Nela, como o pigmento que dá cor à pele sofre uma considerável diminuição, a derme passa a ficar com seu tom uniforme comprometido e a exibir manchas brancas em pequenas áreas do rosto e do corpo. Em geral, ela é causada por problemas inflamatórios ou alterações hormonais, mas também pode ser resultado de complicações genéticas. 

Nos casos em que a despigmentação ocorre por fatores externos, dá para se livrar do problema consultando um dermatologista para que ele descubra a causa e indique o cuidado necessário. Agora, quando as manchas esbranquiçadas são herança genética - como acontece com o vitiligo e o albinismo -, não há cura. No entanto, dá para amenizar o primeiro com cremes específicos e tratamentos com luz ultravioleta indicados pelo dermatologista, enquanto o segundo precisa de muito proteção solar para que a pele não corra risco de câncer e outras complicações. 

Hiperpigmentação se caracteriza por manchas escuras e aumento na produção de melanina

A hiperpigmentação, por outro lado, é resultado de um aumento significativo da produção de melanina -  e, nesse caso, em vez das manchas brancas, o tom uniforme da pele é comprometido por pontos escuros. Dentre as causas para o seu surgimento, a exposição aos raios solares sem a proteção necessária é a mais comum, mas o problema também pode ser resultado de alterações hormonais que ocorrem durante a gravidez e uso de anticoncepcionais ou certos antibióticos. Dentre os problemas que vêm junto com esse aumento do pigmento, o melasma - que apresenta manchas amarronzadas de um a dois centímetros no rosto, têmporas e testa - é um dos mais falados.

Mas como tratar ou evitar a hiperpigmentação? A primeira dica é procurar um dermatologista assim que perceber qualquer alteração na pele - principalmente, se estiver grávida ou tomando um dos remédios que podem facilitar o aparecimento do problema. Outro cuidado importante é nunca abrir mão do protetor solar e, se possível, retocá-lo de duas em duas horas para ficar o dia todo protegida. Se já estiver com as manchas escuras no rosto, o truque é adicionar um creme clareador à sua rotina para que ele possa regular a melanina e normalizar o seu tom. 

Redação: Nívia Passos

Temas relacionados
Canal de L'Oréal Paris

10 vídeos para você assistir enquanto espera a hidratação