Beleza Extraordinária

Histórias de superação: 3 mulheres contam como os cuidados com a beleza ajudaram a combater o câncer de mama

  • Saiba mais sobre as histórias de Flávia, Sula e Priscila e veja como elas conseguiram enfrentar o câncer com a ajuda da beleza (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Sula é professora e foi diagnosticada com câncer em 2013, mas sua história não acabou ali. Veja mais na matéria! (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Depois do tratamento, Priscila diz se sentir mais confiante e feliz consigo mesma (Foto: Arquivo Pessoal)
Tela cheia
Previous Next
Saiba mais sobre as histórias de Flávia, Sula e Priscila e veja como elas conseguiram enfrentar o câncer com a ajuda da beleza (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Saiba mais sobre as histórias de Flávia, Sula e Priscila e veja como elas conseguiram enfrentar o câncer com a ajuda da beleza (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Sula é professora e foi diagnosticada com câncer em 2013, mas sua história não acabou ali. Veja mais na matéria! (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Depois do tratamento, Priscila diz se sentir mais confiante e feliz consigo mesma (Foto: Arquivo Pessoal)

Junto com o diagnóstico, um novo - e mais bonito - começo. Pelo menos foi assim para Flavia Flores (40), Sula Souza (26) e Priscila Abreu (48), que mesmo tendo histórias diferentes, tiveram seus caminhos cruzados por algo em comum: todas elas decidiram abraçar os cuidados de beleza para encarar o longo tratamento do câncer esbanjando graciosidade e, ao fim da batalha - ou no caminho até lá -, conseguirem se tornar versões ainda melhores de si mesmas.

No mês de conscientização sobre a doença com a campanha "Outubro Rosa", e pensando em inspirar outras pessoas a também enfrentarem o câncer de mama com mais estilo e sem tristeza, essas três mulheres toparam contar ao Beleza Extraordinária um pouquinho do que viveram na trajetória até aqui. O resultado da conversa você confere na matéria!

Flavia Flores: "hoje sou muito mais interessante, tenho uma história linda para contar"

  •  "Quando raspei a cabeça, descobri que não tinha orelha de abano e que meu nariz não era tão grande. Eu descobri que eu era bonita!", conta Flavia (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Escritora e idealizadora do Instituto Quimioterapia e Beleza, Flavia fez questão de não abandonar os cuidados com a aparência mesmo em meio ao tratamento de câncer (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Hoje, a vontade de Flavia é expandir o Instituto internacionalmente e levar esperança a mulheres de várias partes do mundo (Foto: Arquivo Pessoal)
Tela cheia
Previous Next
"Quando raspei a cabeça, descobri que não tinha orelha de abano e que meu nariz não era tão grande. Eu descobri que eu era bonita!", conta Flavia (Foto: Arquivo Pessoal)
  •  "Quando raspei a cabeça, descobri que não tinha orelha de abano e que meu nariz não era tão grande. Eu descobri que eu era bonita!", conta Flavia (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Escritora e idealizadora do Instituto Quimioterapia e Beleza, Flavia fez questão de não abandonar os cuidados com a aparência mesmo em meio ao tratamento de câncer (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Hoje, a vontade de Flavia é expandir o Instituto internacionalmente e levar esperança a mulheres de várias partes do mundo (Foto: Arquivo Pessoal)

O clichê de fazer uma limonada com os limões da vida faz todo sentido na história de Flavia Flores, e tudo começou logo após o diagnóstico do câncer de mama em outubro de 2012. Naquela época, ela teve a ideia de compartilhar seu dia a dia de tratamento de forma despretensiosa com os amigos, sem saber que sua página no Facebook se tornaria um projeto inédito no Brasil, reunindo mulheres que passavam pela mesma experiência e tinham interesse nas suas informações sobre beleza, autoestima e bem-estar durante o processo.

Dessa forma, alguns anos depois, a ideia que começou modesta na rede social acabou virando livro e, mais tarde, se materializou no Instituto Quimioterapia e Beleza. A iniciativa ajudou diversas pacientes de câncer (ou "cat's", como são chamadas por Flávia) a se enxergarem mais bonitas mesmo em meio a perda dos fios e outros efeitos colaterais do processo.

Ainda assim, na trajetória, Flavia precisou lidar com o preconceito - por sorte, nada que a ex-modelo não tirasse de letra. "Recebi vários conselhos que diziam para que eu cuidasse da minha saúde, que a vaidade viria por último. Disseram até que eu estava faltando com o respeito com pacientes oncológicos, mas isso foi só no começo", revela. "Hoje em dia sou reconhecida pelo bem que fiz, mudei o cenário dessas mulheres e fico muito emocionada por isso. Elas agora replicam essa corrente, que inspiram outras e inspiram outras, e assim vai". 

Priscila: "não podemos nos deixar em segundo plano, essa é uma lição que agora passo para todos"

  • Diagnosticada com um tipo raro de câncer, Priscila escolheu passar pelo processo valorizando sua beleza da melhor forma possível (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Priscila começou a investir em cuidados com a pele e o corpo após a descoberta do câncer de mama (Foto: Arquivo Pessoal)
Tela cheia
Previous Next
Diagnosticada com um tipo raro de câncer, Priscila escolheu passar pelo processo valorizando sua beleza da melhor forma possível (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Diagnosticada com um tipo raro de câncer, Priscila escolheu passar pelo processo valorizando sua beleza da melhor forma possível (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Priscila começou a investir em cuidados com a pele e o corpo após a descoberta do câncer de mama (Foto: Arquivo Pessoal)

E por falar em inspirar pessoas, Priscila Abreu é outro exemplo de resiliência - e mais uma prova de que o trabalho feito por Flavia não é em vão. No caso dela, sua história se entrelaçou com a do Instituto Quimioterapia e Beleza depois de descobrir um caroço na mama direita durante um autoexame e, em abril de 2015, ser diagnosticada com um tipo de câncer raro, o HER2. "Conheci a instituição quando soube como seria o processo e comecei a procurar mais sobre esse universo de beleza", explica Priscila.

Segundo ela, por sempre ter direcionado a maioria dos cuidados aos cabelos, foi preciso descobrir novas formas de se sentir bem com a própria imagem. Na época, por causa da queda dos fios e o ressecamento da pele, a solução foi dar mais atenção ao próprio corpo e, também, ao poder da maquiagem. "Em toda sessão de quimio que fazia, sempre ia maquiada, não importava o horário", revela com bom humor. Além disso, Priscila também conta que aderiu a partir desse período o hábito de sempre se hidratar depois do banho, além de investir nas bases com protetor solar diariamente.

Atualmente, depois de vencer uma boa etapa do processo, e espaçar as visitas ao oncologista para uma vez a cada três meses, Priscila diz ter aprendido a não se deixar em segundo plano - seja quando o assunto for saúde ou aparência. "Como pessoa eu cresci muito depois disso. Acabei me tornando voluntária de alguns projetos e participando dessa corrente do bem. Hoje, com 48 anos, me acho muito mais linda e interessante do que antes. Hoje me preocupo em cuidar de mim", destaca.

Sula Souza: "quem passa pela doença não precisa ficar doente"

  • Sula garante que raspar os cabelos não foi um problema, e que tinha curiosidade de se ver sem os fios (Foto: Arquivo Pessoal)
  • A gente muda. E não só pelo câncer, mas qualquer situação extrema faz você repensar qualquer coisa na vida", conta Sula (Foto: Arquivo Pessoal)
Tela cheia
Previous Next
Sula garante que raspar os cabelos não foi um problema, e que tinha curiosidade de se ver sem os fios (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Sula garante que raspar os cabelos não foi um problema, e que tinha curiosidade de se ver sem os fios (Foto: Arquivo Pessoal)
  • A gente muda. E não só pelo câncer, mas qualquer situação extrema faz você repensar qualquer coisa na vida", conta Sula (Foto: Arquivo Pessoal)

Agora, se o intuito é sair da luta contra o câncer ainda mais forte e segura de si do que quando entrou, Sula Souza pode ser considerada um belo exemplo. No seu caso, após perceber alguns sintomas, procurar o especialista e receber o diagnóstico da doença em dezembro de 2013, a professora e dona do blog "Além do que posso ser" criou um canal no Youtube e uma página no Facebook para compartilhar sua luta e tratamento contra o problema - sempre, segundo ela, "de uma forma leve e divertida".

O motivo de abordar a situação com tanta leveza, de acordo com Sula, foi porque ela, de fato, tentava encarar o problema de frente e lidar com esse processo tão pesado de um jeito mais tranquilo, apostando no que desde antes já amava fazer: cuidar de si mesma. "Eu sempre gostei de cuidar do cabelo e de fazer maquiagem, mas quando os fios caíram eu comecei a pesquisar como me maquiar de formas diferentes, além de me aprofundar mais sobre lenços", lembra a professora.

Fazendo uma retrospectiva do tratamento, Sula garante que focar na beleza amenizou (e muito) todas as etapas. "Era até engraçado, me perguntavam se eu estava mesmo com câncer porque estava sempre arrumada, cuidando de mim. Eu respondia dizendo que a gente pode passar pela doença, mas não precisa ficar doente", conta. Por fim, a professora reconhece que a experiência a mudou totalmente. "Hoje eu consigo ver o mundo diferente, e é mais bonito assim", finaliza. 

Redação: Raquel Carletto 

ver mais : Meu estilo de vida
Temas relacionados
Canal de L'Oréal Paris

10 vídeos para você assistir enquanto espera a hidratação