Beleza Extraordinária

História dos cabelos: o estigma dos loiros e ruivos

  • Ruivos sofreram no passado e sofrem agora com apelidos engraçadinhos
  • As loiras foram escravizadas pelos romanos e taxadas de prostitutas pelos gregos
  • A  eumelanina é responsável pela tonalidade do cabelo. Quanto mais concentrado, mais escuro são os fios
  • O estigma de "loira burra"  encarnado em Marilyn Monroe e seus papeis de   ingênua, cuja maior ambição era casar com um milionário
Tela cheia
Previous Next
Ruivos sofreram no passado e sofrem agora com apelidos engraçadinhos
  • Ruivos sofreram no passado e sofrem agora com apelidos engraçadinhos
  • As loiras foram escravizadas pelos romanos e taxadas de prostitutas pelos gregos
  • A  eumelanina é responsável pela tonalidade do cabelo. Quanto mais concentrado, mais escuro são os fios
  • O estigma de "loira burra"  encarnado em Marilyn Monroe e seus papeis de   ingênua, cuja maior ambição era casar com um milionário

O cabelo pode dizer muito sobre a personalidade de uma pessoa, seu corte, seu estilo, e claro, a cor escolhida. Imagine então viver em um mundo no qual uma pessoa é estigmatizada pela tonalidade natural dos fios. Na história mundial, é possível ver que ter cabelos loiros, ruivos ou pretos poderia definir seu "rótulo" perante a sociedade.

No Império Romano, as nobres e cortesãs mantinham escravas loiras, geralmente vindas dos países nórdicos que, entre outras coisas, serviam para fornecer material para perucas douradas. Na Grécia antiga o estigma era maior, o loiro era cor de prostitutas, enquanto acreditavam que as pessoas de cabelo vermelho se transformavam em vampiros depois de mortos. As ruivas ainda sofreriam séculos depois, consideradas bruxas na idade média, sendo julgadas e mortas.

Ainda hoje, mesmo com a indústria de coloração, as platinadas vivem com o estigma da "loira burra", encarnado por Marilyn Monroe com seus papeis de mocinha ingênua, cuja maior ambição era casar com um milionário. Os desejos de Marilyn foram perpetuados pela Hollywood antiga, que incentivava suas atrizes a ter personalidades com visual marcante .

Já os donos dos fios ruivos, apesar de já não sofrerem tanto, têm que conviver com outra realidade: os apelidos derivados da cor do cabelo. "Cenoura", "Ferrugem", "Palito de Fósforo", "Arroto de fanta" entre outros apelidos que parecem ser engraçadinhos mas terminam sendo crueis. Mesmo assim, muita gente assume suas madeixas naturais. Hoje em dia existe um movimento de volta das ruivas naturais e até as não naturais se assumem de coração.

A tonalidade dos fios é definida pela quantidade de eumelanina, substância que faz parte da melanina e é responsável ainda pela pigmentação dos olhos e pele. Quanto maior a concentração, mais escuro será o cabelo, sempre com tons acastanhados a negros; sendo que o que define essa taxa é o código genético da pessoa. Os fios castanhos, por exemplo, possuem 1,1% de eumelanina. Já os cabelos mais claros, como o ruivo e o louro, têm 0,3% e 0,06%, respectivamente. Essa porcentagem vai diminuindo até chegar ao albino, que não possui pigmento.

Temas relacionados
Canal de L'Oréal Paris

10 vídeos para você assistir enquanto espera a hidratação