Beleza Extraordinária

Efeito chiclete: tratamentos para combater o cabelo elástico

  • Fios elásticos são resultado de diversas químicas sem intervalos adequados, que danificam a fibra capilar até deixá-la porosa e com aspecto emborrachado.
Tela cheia
Previous Next
Fios elásticos são resultado de diversas químicas sem intervalos adequados, que danificam a fibra capilar até deixá-la porosa e com aspecto emborrachado.

Fios ressecados são um problema comum para muitas mulheres que usam secador, chapinha ou fazem tratamentos químicos. O cabelo elástico (ou chiclete) é um dos desdobramentos deste problema. Sem a umidade natural, os fios ficam elásticos e, em casos mais graves, podem afinar tanto que chegam a quebrar ou se esfarelar. Na maioria dos casos, isso acontece pelo resultado de diversas químicas sem intervalos adequados, que danificam a fibra capilar até deixá-la porosa e com aspecto emborrachado.

Diferença entre fio ressecado e elástico

Ao contrário do ressecamento profundo, que deixa o fio mais poroso e com aspecto espigado, o efeito chiclete muda a estrutura da fibra capilar, criando uma textura e aparências próprias. A cabeleireira Dilma Baptista ensina como identificar o cabelo elástico: "para saber se o cabelo tem o efeito chiclete, analise os fios quando estiverem molhados. Se você puxar a mecha e ela encolher, franzida como um elástico molhado, é hora de procurar um tratamento", explicou.

Longe do secador ou chapinha

Assim que constatar que seu cabelo pode estar elástico, não entre em pânico, ainda é possivel fugir da tesoura e deixar as madeixas mais saudáveis com alguns tratamentos. A primeira coisa a fazer é dar intervalos maiores entre o uso de chapinha e secador e não usá-los todos os dias, pois o calor desses aparelhos retiram a pouca hidratação que as mechas são capazes de manter.

A médica dermatologista Dra. Inaê Cavalcanti Marcondes Machado, especializada em terapia capilar explica que cada caso deve ser avaliado por um tricologista - profissional especializado na estrutura molecular dos fios - para saber o tratamento correto: "a recuperação total pode ocorrer muitas vezes somente com o corte, mas o aspecto visual pode melhorar muito com outros recursos". A dermatologista ainda aponta que é importante procurar um médico especializado em cabelos para analisar se seu estado se deve ao excesso de química ou por problemas na produção de fios, que pode gerar outros danos como afinamento, queda e calvície.

Invista em tratamentos que reconstroem a fibra do cabelo

A cabeleireira Dilma conta que já salvou até 70% de um cabelo elástico, mas explica que é preciso ter paciência para eliminar o problema: "com aplicação de reconstrução profunda a cada 15 dias dias por alguns meses, é possível salvar o cabelo sem apelar para a tesoura, mas não é milagre, exige tempo". A reconstrução aumentar a massa do fio com produtos específicos, como queratina e ceramidas, substâncias que dão mais brilho, combatem a porosidade, ajudam no efeito anti-frizz e ainda nutrem as madeixas. "A ceramida aumenta a coesão das cutículas ao córtex capilar e das cutículas entre si, mantendo a integridade dos fios" explica o farmacêutico e professor de farmacotécnica e cosmetologia, Lásaro Stephanelli.

Durante o período inicial de tratamento, é importante investir em hidratações em casa e procedimentos mais profundos no salão para reconstruir a cutícula do fio mais rapidamente. A cabeleireira ensina que para essa manutenção, é importante usar shampoos e condicionadores hidratantes, além de pentes com dentes mais largos, para não quebrar os frios fragilizados.

Temas relacionados
Skincare:

Como usar argila no rosto? Veja para que serve cada máscara facial

últimas matérias

Ver mais