Beleza Extraordinária

Corte químico depois do alisamento? 4 mulheres contam como sofreram com a quebra dos fios antes de assumirem o cabelo natural!

  • Conheça a história de 4 mulheres que sofreram com corte químico nos fios antes de assumirem o cabelo natural! (Foto: Rachel Barros)
  • Para disfarçar o cabelo durante o período do corte químico, Priscila Rocha conta que investia em acessórios como lenços e turbantes (Foto: Arquivo Pessoal/Rachel Barros)
  • Para Carolina Vega, ter aceitado o cabelo natural poupou muito sofrimento e gastos (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Fernanda Oliveira Lima relaxava o cabelo antes de sofrer o corte químico. Com a queda dos fios, meses depois do casamento, ela decidiu raspar a cabeça para assumir a textura natural (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Para Ingrid Barros Lapa, ter passado a olhar o cabelo natural com outros olhos foi o lado bom do corte químico (Foto: Arquivo Pessoal)
Tela cheia
Previous Next
Conheça a história de 4 mulheres que sofreram com corte químico nos fios antes de assumirem o cabelo natural! (Foto: Rachel Barros)
  • Conheça a história de 4 mulheres que sofreram com corte químico nos fios antes de assumirem o cabelo natural! (Foto: Rachel Barros)
  • Para disfarçar o cabelo durante o período do corte químico, Priscila Rocha conta que investia em acessórios como lenços e turbantes (Foto: Arquivo Pessoal/Rachel Barros)
  • Para Carolina Vega, ter aceitado o cabelo natural poupou muito sofrimento e gastos (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Fernanda Oliveira Lima relaxava o cabelo antes de sofrer o corte químico. Com a queda dos fios, meses depois do casamento, ela decidiu raspar a cabeça para assumir a textura natural (Foto: Arquivo Pessoal)
  • Para Ingrid Barros Lapa, ter passado a olhar o cabelo natural com outros olhos foi o lado bom do corte químico (Foto: Arquivo Pessoal)

Só quem já passou anos fazendo alisamento no cabelo antes de assumir o cacheado ou crespo conhece os contratempos que podem vir junto com os constantes retoques de química. Queimaduras no couro cabeludo e fios mais fracos são alguns deles, mas o mais temido, sem dúvidas, é o corte químico - a queda capilar que acontece quando há incompatibilidade entre produtos ou os fios estão fracos demais para o procedimento. Pensando nisso, o Beleza Extraordinária conversou com quatro mulheres que já sofreram com o problema para descobrir como elas passaram por essa fase antes de aceitarem de vez os cachos. Confira!

"Foi bem desesperador! E eu ainda fiquei com muitas feridas na cabeça" - Priscila Rocha, 26 anos

  • Priscila Rocha enfrentou passou por vários cortes químicos no cabelo. Mas, para ela, o mais traumatizante foi o que aconteceu quando ela tinha 11 anos (Foto: Rachel Barros)
Tela cheia
Previous Next
Priscila Rocha enfrentou passou por vários cortes químicos no cabelo. Mas, para ela, o mais traumatizante foi o que aconteceu quando ela tinha 11 anos (Foto: Rachel Barros)

Quem vê Priscila Rocha com o black poderoso que exibe atualmente nem imagina que o cabelo já foi um dos pontos mais problemáticos de sua autoestima. Embora tenha piorado com o corte químico, ela conta que, mesmo antes dele, nunca se sentiu completamente satisfeita com os fios alisados: "quando eu alisava e relaxava o cabelo, eu só me sentia bem na hora. Ficava lindo no salão, mas, quando eu chegava em casa e lavava... a autoestima ia embora de novo". 

Assim como outras mulheres que alisavam o cabelo com frequência, Priscila lidou com o corte químico por mais de uma vez. Mas, segundo ela, o que mais marcou sua memória foi o que aconteceu quando tinha 11 anos e foi fazer um relaxamento: "quando fui lavar o cabelo na pia, caía muito. Foi bem desesperador! E eu ainda fiquei com muitas feridas na cabeça. Na escola, o pessoal me zoava muito, e eu fiquei com a autoestima bem baixa", relembra. 

Para tentar resolver o problema dessa vez, ela não chegou a fazer nenhum tratamento específico: apenas fazia mais hidratações enquanto esperava o cabelo crescer, e recorria a lenços e turbantes para disfarçar a queda. Mas, quando os fios caíram novamente aos 15 anos, a jovem revela que chegou a usar um implante capilar para não passar pela mesma fase de novo.  

"Foi traumatizante! Sempre gostei de cabelo grande e tive que cortar" - Carolina Vega, 25 anos

  • Carolina Vega afirma que ser obrigada a cortar o cabelo na altura da nuca - para disfarçar a quebra que aconteceu no corte químico - foi traumatizante (Foto: Arquivo Pessoal
Tela cheia
Previous Next
Carolina Vega afirma que ser obrigada a cortar o cabelo na altura da nuca - para disfarçar a quebra que aconteceu no corte químico - foi traumatizante (Foto: Arquivo Pessoal

Assim como a maioria das cacheadas e crespas, Carolina Vega também passou pelo período em que não aceitava seu cabelo natural e investia em alisamentos para exibir um visual com liso chapado. Hoje, ela mostra por aí seu belíssimo crespo volumoso com orgulho! E, ao relembrar tudo o que já passou com ele, até se arrepende por ter demorado tanto a assumir o natural: "antes tivesse me aceitado logo, porque olha... era sofrimento e gastos", declara. 

Um desses sofrimentos a que se refere foi o corte químico que sofreu quando tinha 16 anos. Na época, sua mãe - cabeleireira - é quem fazia seu cabelo; mas, em uma das vezes em que ela estava ocupada para retocar a química, Carolina decidiu procurar outra profissional - e foi aí que não deu muito certo. "Ela decidiu fazer uma escova com formol, mais forte do que a que eu estava acostumada a fazer, porque meu cabelo era bem difícil de alisar. Na hora, ficou lindo e eu adorei, mas, depois de uma semana, eu vi que ele estava todo quebrado. Parecia que eu tinha feito franja na parte de trás", conta. 

Sua mãe logo viu que o problema tinha sido causado pela nova escova. E a solução que Carolina encontrou para tentar disfarçar a diferença de tamanho entre os fios foi o corte: "ele estava nos ombros e passou a ser na nuca. Foi traumatizante! Sempre gostei de cabelo grande e tive que cortar - e não foi por livre e espontânea vontade. Foi horrível! Cabelo é autoestima, né?", finaliza. 

"Casei em setembro de 2014, e em 2015 começou a cair loucamente. Já pensou se é na época do casamento?" - Fernanda Oliveira Lima, 30 anos

  • Fernanda Oliveira iniciou um tratamento com dermatologista após o corte químico do relaxamento. Mas, como não teve resultado, decidiu raspar os fios (Foto: Arquivo Pessoal)
Tela cheia
Previous Next
Fernanda Oliveira iniciou um tratamento com dermatologista após o corte químico do relaxamento. Mas, como não teve resultado, decidiu raspar os fios (Foto: Arquivo Pessoal)

Ao lembrar do seu corte químico, Fernanda Oliveira Lima logo fica tensa ao imaginar que ele podia ter acontecido na época do seu casamento. É que seu cabelo - na época, relaxado - começou a cair poucos meses depois da ocasião: "casei em setembro de 2014, e em janeiro de 2015 começou a cair loucamente. Já pensou se é na época do casamento?", diz. 

Segundo ela, a queda foi uma surpresa porque o relaxamento já era feito há um tempo - e, mesmo sem nunca ter feito teste de mecha antes da aplicação, nunca tinha lidado com nenhum problema. Mas, depois do ocorrido, não arriscou e iniciou um tratamento específico com seu dermatologista: "fui ao meu dermato e tratei com remédio oral e loção local. Além disso, também fiz milhares de tratamentos com hidratação e reconstrução... Mas nada deu jeito". 

Sem resultados, Fernanda aproveitou o fato de não ter medo de tesoura e não pensou duas vezes: decidiu cortar tudo! "Sempre gosto de mudar, então achei ótimo dar uma radicalizada. E continuei me achando linda, porque beleza vem de dentro, não é?", afirma. 

"Eu trabalhava em um escritório com o chão claro e lembro que, onde eu sentava, no final do dia, tinha uma quantidade absurda de cabelo no chão" - Ingrid Barros Lapa, 26 anos

  • O resíduo de alisamento nos fios causou o corte químico de Ingrid Barros Lapa (Foto: Arquivo Pessoal)
Tela cheia
Previous Next
O resíduo de alisamento nos fios causou o corte químico de Ingrid Barros Lapa (Foto: Arquivo Pessoal)

Se é possível tirar algo positivo de um corte químico, Ingrid Barros Lapa afirma que, no seu caso, foi a chance de aceitar o seu cabelo natural. Depois de passar por essa fase complicada, ela conta que aprendeu a gostar do ondulado que tanto rejeitava e a entender que não é preciso se encaixar no que a sociedade considera bonito só para se sentir bem: "a partir daí, me questionei muito sobre o porquê de fazer aquilo. Meu cabelo era lindo! Por que eu estava querendo transformá-lo em algo sem vida só para seguir um padrão? Foi um período difícil, mas também foi o start que eu precisava para me aceitar", diz. 

O problema com a química aconteceu quando Ingrid tinha 19 anos. Na primeira aplicação, deu tudo certo e os fios ficaram lisos do jeito que ela queria, mas o corte químico aconteceu quando chegou a época do retoque da raiz: "no dia seguinte, percebi que meu cabelo estava caindo mais do que o normal. Eu trabalhava em um escritório pequeno com o chão claro, e lembro que, onde eu sentava, no final do dia, tinha uma quantidade absurda de cabelo no chão. As pessoas reparavam e eu morria de vergonha". E não parou por aí: além da queda excessiva, Ingrid reparou que estava com um buraco no alto da cabeça e com uma quebra perto da raiz, que dava a impressão de que os fios tinham sido cortados com máquina. 

Por precisar do cabelo em um comprimento maior para esconder os buracos, cortar não foi uma opção. A solução que ela encontrou foi iniciar um tratamento com um dermatologista - que era acompanhado por um remédio caro - e fazer as hidratações que o salão ofereceu como um pedido de desculpas. "A dermatologista falou que, pelo jeito que o fio quebrou, parece que ele não retirou o produto por completo na hora de enxaguar. Eu acabei criando uma amizade com o cabeleireiro que fez o procedimento e fiquei com pena de tomar uma medida mais enérgica. Hoje, certamente, eu teria outra atitude", afirma. 

Também está lidando com um corte químico ou quer entender melhor sobre o problema? Clique aqui para saber mais detalhes e descobrir como recuperar o cabelo!

Redação: Nívia Passos

vídeos Recomendados
"Esse Brilho é Meu" é a música tema da parceria entre a cantora Iza e Casting Creme Gloss de L'Oréal Paris. Confira mais na matéria! (Foto: Juliana Coutinho)
  1. 5 momentos em que o cabelo foi o seu melhor aliado no look!
    5 momentos em que o cabelo foi o seu melhor...
    5 momentos em que o cabelo foi o seu melhor aliado no look!

    Liso, cacheado, crespo, ondulado - não importa:...

    Leia mais
  2. Tinta spray para cabelo deixa os fios com aspecto duro e sem brilho? Descubra!
    Tinta spray para cabelo deixa os fios com...
  3. Qual a melhor fronha de travesseiro para o cabelo? Descubra a opção perfeita para acordar com cabelos brilhosos!
    Qual a melhor fronha de travesseiro para o...
  4. Box braids: 6 tendências de penteado mais amadas do Pinterest para quem tem tranças no cabelo
    Box braids: 6 tendências de penteado mais...
  5. 5 penteados para usar no feriado de Carnaval: coques, tranças e rabos de cavalo para arrumar as madeixas em cada dia do recesso!
    5 penteados para usar no feriado de Carnaval:...
  6. Cronograma capilar: aprenda a montar o seu de acordo com as reais necessidades do seu cabelo
    Cronograma capilar: aprenda a montar o seu de...

Ver mais

Vídeos
"Esse Brilho é Meu" é a música tema da parceria entre a cantora Iza e Casting Creme Gloss de L'Oréal Paris. Confira mais na matéria! (Foto: Juliana Coutinho)

Ver mais

Temas relacionados
Pele linda:

Veja os melhores alimentos para evitar a oleosidade do rosto

últimas matérias

Ver mais